centrobenessere.com.br

Uma história de superação e abuso com acupuntura

Personalidade em reformulação depois de ser abusada

O temperamento pessoal representa o principal ponto de referência para que o comportamento seja caracterizado. A partir dos caracteres que fazem parte de sua estrutura destinamos nossas ações em busca de cumprir com os objetivos traçados pela necessidade estimulante.


Todos funcionam do mesmo jeito, embora ninguém seja igual a ninguém fazemos o mesmo movimento mental para produção das manifestações. As ideias formuladas por uma série de pensamentos montam o repertório mais comum e próximo da cognição. A estrutura cognitiva alimenta-se de racionalidade para organizar dentro de um sistema interdependente de conexão com estruturas mais densas o conteúdo dos pensamentos.


No interior da estrutura cognitiva localizam-se o conteúdo de ideias produzido por pensamentos com menos emoções possível. O teor informacional encontrado nessa estrutura modula o primeiro ponto de diferença entre as pessoas. Normalmente vibramos muito mais pelos aspectos emocionais do que por racionalidade.


A medida utilizada nesse contexto organiza-se pelo repertório individual utilizado ao longo da vida. Isso significa que as experiências pessoais são codificadas para fazerem parte dos componentes racionais caso essas informações cumpram com o requisito inicial. Normalmente logo depois de cada etapa evolutiva que passamos o saldo que resta fórmula esse conteúdo.


O temperamento pessoal é então formado pelo conteúdo racional da cognição e emocional da estrutura psíquica. No caso, as ideias marcantes que contam para estarem no temperamento devem ser postas por traços de personalidade formulados pelo comportamento.


Quando nos manifestamos produzimos experiências que podem ser aproveitadas pelo temperamento de duas formas. A primeira maneira é a do traço de personalidade ser reforçado pelo comportamento em si, enquanto no segundo caso esse traço é reformulado dentro de seus próprios parâmetros.


O reforço de experiências pessoais são obtidos por aquele comportamento que não gera mudança intima, ao contrário. Quando nos manifestamos seguimos um padrão anterior cultivado pelo complexo temperamental. Tais considerações reforçam o padrão tornando o traço de personalidade mais forte dentro da estrutura temperamental.


A mudança acontece quando o resultado de nossas ações mostram que tal comportamento deve ser alterado por outro melhor ou pior. Nesse caso podemos citar exemplos relacionados as pessoas que por conta de alguma doença mais grave ou perda de um cônjuge deixam certos comportamentos padrões de lado. Elas simplesmente percebem que tal manifestação é maléfica.


O contrário também ocorre quando nos manifestamos de certa forma e isso produz um resultado diferente do esperado. Por exemplo no caso de um estupro ou agressão física seria. Quando o comportamento traumatiza a estrutura temperamental um modo de agir diferente é produzido e a pessoa acaba deixando de utilizar algum atributo pelo menos em parte. Estudos clínicos e minha experiência pessoa mostram que as mulheres que sofreram alguma agressão sexual deixaram de ser extrovertidas e de ter prazer sexual.


Essas mudanças tomam forma no intimo para forjar outra linha de prioridades. Na maioria das vezes as mudanças negativas marcam fortemente o temperamento para que haja lembranças do evento em si. Assim o comportamento busca se proteger de uma nova investida do abusador.


O medo é muito utilizado por esse mecanismo de autoproteção produzido pela mudança traumática. Essa emoção utiliza um hormônio muito poderoso chamado adrenalina. A adrenalina consegue alterar a forma das sinapses em certas regiões do hipocampo e amígdala para memorizar os eventos traumáticos e assim estimular continuamente as mudanças.


Os procedimentos de mudança intima são adequados para produzirem marcadores em várias partes do corpo humano. O cérebro em suas regiões límbicas associadas ao cérebro reptiliano modelam uma forma de estímulo muito específica capaz de organizar outros estímulos que seguem para o sistema musculoesquelético e endócrino em busca de transferir seus caracteres ao corpo humano.


O corpo responde ao trauma mudando sua postura e alterando o fluxo de energia dos órgãos mais frágeis ligados ao temperamento e ao agente abusador. Nesse caso os códigos de informação são modulados com informações capazes de codificar na estrutura física orgânica suas características.


A mudança de postura corporal relaciona-se aos sistemas tocados e movidos durante o ato traumatizante. Na pele as marcas ficam possivelmente pelo resto da vida. Enquanto nas estruturas musculares e articulares os códigos de informação produzidos pelo movimento são marcados para deixar essas regiões sem receber energia e mesmo estímulos.


O sistema musculoesquelético reage ao agente traumático criando no ambiente energético memórias que visam proteger a região. Esses códigos de informação impressos em cada ponto referido desdobram-se para estrutura física causando escassez de energia, lesão aguda e dor crônica.


A leitura desses códigos de informação são feitos para entender o nível do problema e a forma terapêutico mais adequada a estrutura patogênica estabelecida. A gravidade do problema é proporcional ao nível do agente traumático e da forma que a pessoa recebe e lida com tal comportamento e fato.

Sempre bom registrar que o ser humano possui intimamente poderes especiais capazes de resolver qualquer problema. Todos possuímos atributos especializados no processo de entendimento de qualquer informação. Essas características fazem parte da estrutura temperamental. E são utilizadas pela cognição para produção de ideias.


Assim sendo os procedimentos utilizados pela manifestação pessoal para conduzir suas ações utilizam de algum atributo em específico para que os pensamentos sejam ordenados numa rotina de conceitos capazes de alimentar o teor ideativo relativo ao objetivo primário.


Quando nos manifestamos utilizamos então a cognição de sede para produzir ali as ideias relativas ao contexto. Quando algum desses cinco atributos está avariado os procedimentos relativos a ideia produzida ficam capengas ou incompletos. Uma parte de nossa forma de se relacionar é deixada de lado para proteger a initimadade de uma nova agressão.


O nível desse processo conduz o efeito visto na patologia física e psíquica. O medo como disse anteriormente está sempre presente para servir de amálgama das informações inseridas na estrutura. Enquanto outras emoções podem estar presentes pois o agente traumático sensibiliza as vias psicoenergossomáticas mais comuns ao temperamento pessoa.


As mudanças intimas são claramente observadas na postural corporal modificada e manifestações específicas que ficarão para trás logo após o trauma começar existir. Sem alguma das cinco habilidades os sentimentos deixam de ser possíveis e passam então a formular ideias mais complexas e até certo ponto racionais para alertara o comportamento.


NO contexto orgânico quando os órgãos são atingidos pelos agentes de trauma eles mudam a forma de funcionar. O primeiro órgão alterado é aquele ligado ao biotipo original ou primário. O segundo relaciona-se ao órgão relativo as características do abuso e abusador. Costumo dizer que quanto mais próximo o abusador for de sua vítima mais grave será o déficit cognitivo e físico.


A estrutura física é então moldada de acordo com o agente traumático e altera sua forma a partir dos pontos de conectividade ligados a ela. Os meridianos de energia e acupontos são os representantes do sistema energético para transportar e caracterizar as energias que chegam nas células.


E como sua consistência é formulada por cristais de água, minerais e proteínas seu conteúdo assume a forma maleável. Uma espécie de plasma é criado para moldar na estrutura física o conteúdo que chega do cérebro ou consciência via esses canais. A distribuição das energias é feita diretamente na estrutura equivalente ao trauma no intuito de proteger e limitar a área.


Cada órgão e contexto traumático são devidamente envolvidos com a transmissão de informação para estrutura física. Sendo os órgãos que mantem esse contexto ativo para mantê-lo atuante enquanto agente traumático.

Os cinco elementos x Traumas

O medo é a emoção mais comum e presente em todos os contextos traumatizantes. Sua energia fria e rápida codifica internamente os contextos a partir de um plasma reduzido e resistente que acaba causando na matéria obstrução e formação de cristais e nódulos locais. Os procedimentos fisiológicos a seguir seguem a rotina natural de transferência de informação feita pela adrenalina principalmente.


Nas regiões os meridianos de energia carregam a energia para fazerem sua parte modelando no interior das fibras de colágeno o plasma relativo ao contexto. À medida que o medo se torna o agente primário para marcar o território existem outras vias sendo utilizadas para criar pontos de conexão originais ao temperamento pessoal.


Essas vias energéticas relativas ao temperamento pessoal representam o biotipo. Nelas existem uma complexidade mais proeminente no processo de codificação. O órgão ligado ao biotipo primário é afetado pelas mudanças cognitivas.


A fissura cognitiva ressona suas informações para os órgãos relacionados deixando-os num estado de desequilíbrio permanente. O processamento desses dados são também utilizados para manter os processos nas regiões ligadas ao medo e estruturas relativas ao trauma diretamente.


Em casos de abuso sexual por exemplo percebi ao longo de minha carreira de atendimento clínico a permanência de um certo tipo de dúvida permanente independente do agente primário. Isso significa que o medo sendo uma emoção comum utilizada para manter distância de qualquer problema parecido com o abuso em si, acaba deixando uma fissura cognitiva.


Aqui a dúvida ao invés de ser utilizada como agente cognitivo de escolha ligado a decisão, passa a ser falha no processamento das informações. A pessoa deixa então de avançar devido a dúvida permanente. É comum esse problema ser causado ou mesmo piorado pelo fato de a vítima não encontrar amparo em casa principalmente.


Histórias

Os dias são bem complexos por aqui. Os erros sentenciam uma possível derrocada, mas a esperança nunca deixa de existir. No campo a batalha diária é posta a prova da força sistematizada pelo todo em formação. O duelo é intenso e constante como sempre.


Nas ideias um ideal. Os atos voltam a conversar com o intelecto. A correta volta trabalhando intensamente depois de algum tempo. O certo ainda é duvidoso é verdade, mas o pior já passou agora é continuar do ponto onde parou e tirar o prejuízo para voltar ao êxito.


Em vista projetos únicos que alimentam de forma direta o intelecto arruinado depois do último problema. Na reta obstáculos chegam por toda parte. Mesmo assim experimento algo novo dentro e fora de mim. As dores no quadril acabaram junto com os remédios. A cabeça parece não mais ser atingida pela contrariedade. Enquanto o sol brilha sem fazer mal.


É realmente a prontidão para evoluir está sendo construída por aqui. Contudo, tempos sombrios estiveram por perto há pouco tempo. E deles não tenho saudade ao contrário.Depois da última sessão os resultados foram surpreendentes. As energias que antes não circulavam para certas regiões voltaram a nutrir os genitais e as coxas. Os sonhos marcados de dor e terror não estão mais por aqui.


Lembro bem do dia que fui invadida por quem nunca esperava usar de força para me forçar a nada. O sexo algo tão intimo e benéfico foi retirado de mim junto com o prazer de viver. A face do mal estampada na minha mente mostrava em sonhos o causador. Em cima do meu corpo o peso de seu corpo não seria mais pesado do que minha palavra não ser aceita por quem deveria me proteger.


O julgamento alheio fez mais estrago ainda. Os pais sempre distantes nunca foram exemplo positivos, mas não relevar meus sentimentos foi a morte prematura de minha sexualidade e anseios. O prazer de viver estampado em sorrisos gratuitos foram substituídos pelo ciso dos lábios e corugamento das sobrancelhas.


A raiva estava ali dentro do peito estampada na cara de quem teve seu corpo invadido por alguém tão próximo. Minhas lembranças marcaram meus dias até então. Foram mais de 10 anos de nulidade plena.

Nunca decidia e sempre tinha dúvidas. Contava sempre com alguém pra me guiar em busca da cura que nunca imaginara que algum dia chegaria. Muitos passaram por aqui. Tentativas em vão de ser cuidada e mantida em ambiente seguro deixaram marcas mais profundas ainda.


Os fatos me levaram a culpa. Minha mente concordava com a justificativa do meu pai que dissera para os próximos que eu fui responsável pelo ato. Segundo ele minhas roupas eram curtas demais para qualquer homem ter que segurar. Sim, eu acreditei nisso e me culpei.


Tentei deixar o mundo algumas vezes. Mas a última vez que isso ocorreu eu fui socorrida por quem nasceu para ajudar quem não tem mais esperança alguma. Nesse dia eu vi que podia sim confiar no desconhecido. E de olhos fechados fui picada!


No pé e na perna o fluxo de energia parecia seguir em linhas para dentro do útero e vagina. Nos cotovelos os pontos picados fizeram as lágrimas correrem pela face marcada pela dor. O sorriso espontâneo parecia surgir naturalmente nesse dia em que os punhos apertados por aquele maldito me imobilizaram, eram punturados.


Esses pontos do punho aqueceram meu coração que deixaram de ser acelerados para sempre. Na testa e alto da cabeça os pontos fizeram no meu cérebro algo diferente demais para relatar com palavras. Segundo o anjo que acompanhava o trabalho essa sensação era obtida devido a regulação do fluxo das ondas cerebrais que estavam se ajeitando.


Em 20 minutos grande parte dos problemas mantidos por aqui nos últimos dez anos foram embora. Mas o melhor ainda estar por vir. Meu quadril sem líquido sinovial e minhas coxas sem energia foram acariciadas por energias afetuosas produzidas por estímulos auriculares.


As ideias suicidas pareciam nunca terem existido por aqui. Nas costas copos de ventosa estimulavam pontos que repercutiam na minha mente e cognição. O sangue era retirado por outra via agora. No dia do ato sangrei por dias e nunca mais menstruei. Agora sangrava nas costas em pontos específicos.

No fim o presente mais lindo de todos. Fui convencida que minhas roupas nunca foram culpa de nada e isso me deixou mais leve. Voltei para casa arrumei as malas e sai para nunca mais voltar. Abandonei o passado e as pessoas que me causaram o mal.


Continuo em tratamento com certeza, mas digo que se não fosse isso eu estaria longe daqui. Obrigado acupunturistas por vocês existirem.

Quer saber mais sobre essas informações?

Gostou deste conteúdo?

Cadastre-se abaixo e esteja por dentro de todas as novidade!

Entre no Grupo de Whats app do Evento