Reflexologia que relaxa

 

O corpo humano é formatado por uma série de elementos invisíveis aos olhos chamados de energia ou Qi. A estrutura física formada por células e tecidos principalmente, representam a contraparte desse contexto energético regido por um sistema maior e mais organizado chamado cosmos.

            Os chineses foram os primeiros a entender o processo de relação entre o sistema cósmico e o homem. Na época essa percepção foi feita por analogia simples formulada pela observação da natureza. O estimulo inicial para esse movimento mental foi oferecido por problemas climáticos enfrentados desde o início de sua civilização. A capacidade de análise e conclusão desenvolvido por eles permitiu o desenvolvimento de um complexo de teorias embasadas nos princípios dualísticos. 

 

Princípio dualístico

 

O dualismo se caracteriza pela existência de dois modelos de energia originais que interagem por força da necessidade de sobrevivência no intuito de provocarem a formação de outros componentes que possam formatar estruturas mais complexas que a original. 

 

Os modelos de energia que formam o sistema dualístico são chamados didaticamente de Yin e Yang, que representam na verdade unidades fundamentais criadas pelo cosmos para servirem de substância primário ao desenvolvimento de qualquer componente presente no Universo. 

 

A composição do sistema dualístico por essas unidades fundamentais são caracterizadas pela densidade de sua estrutura, bem como por suas respectivas funções. No caso, o modelo energético YIn é denso e representa a matéria celular por exemplo. Já seu oposto Yang é fluido e representa a função da matéria. 

 

O corpo humano é então formulado por esses aspectos energéticos impressos na sua estrutura desde a embriogênese. A importância e influência do sistema dualístico no desenvolvimento do corpo humano é observado no movimento de cada elemento dentro de sua própria estrutura. A influência dualística serve também à composição de um sistema hierárquico, desenvolvido pelo complexo de relações chamado de Macro e Micro. 

 

Esse sistema de relações visa classificar as estruturas fisiológicas de acordo com sua posição dentro do corpo. Através dessas referências o corpo é apresentado para determinar que as partes compõem o todo. Onde o ambiente Macro formado por suas partes Micro pode ser influenciado por cada pequena parte unidos por meio da afinidade. 

 

A título de exemplo então podemos classificar as células quando comparadas aos tecidos sendo a parte Micro. Enquanto os tecidos formados pela união celular é o ambiente Macro. Percebam que existem pontos de referência para compor cada um dos sistemas representativos Macro e Micro. Pois por exemplo, enquanto os tecidos representam o Macro em comparação as células, esse mesmo componente é com outros tecidos o Micro, enquanto um outro sistema de relações maior representa o oposto Macro. 

 

Os sistemas de relações dos humanos é um pouco mais complexo que os demais seres que habitam o planeta. Contudo, sua causa e natureza original representam na base inicial o mesmo sistema interativo. Onde o Macro influencia suas partes, enquanto as partes que compõem o Micro também conseguem exercer força para desequilibrar o Macro. 

 

A oposição é simplesmente um modo de formular e conservar elementos importantes de uma sociedade organizada. Os modelos de energia YIn e Yang servem de modelo para serem utilizados de substância a composição da matéria e estimulo a função. 

 

Os ambientes Macro Micro interagem o tempo todo para a formação de outros componentes similares. A partir dos opostos, forma-se uma plataforma intelectual preenchida por aspectos específicos. Um desses aspectos se diz respeito as zonas reflexas montadas no corpo para servirem de referência para demonstrarem de alguma forma o que se produz internamente. 

 

Zonas reflexas

 

No corpo existem inúmeras zonas reflexas que servem de referência para formularem um local que sirva de tratamento, diagnóstico e tratamento. As principais zonas reflexas estão na planta do pé e nas orelhas. A zona reflexa modula na superfície aspectos que demonstram não só o desequilíbrio mas também servem de fonte terapêutica.

 

Os pés

 

A zona reflexa podal localiza-se praticamente em toda planta do pé e regiões adjacentes. Sua estrutura é modelada por uma grande quantidade de raízes nervosas. As vias neuronais presentes na planta do pé trabalham em sintonia com outras em estado energético. 

 

Em caso de desequilíbrio os órgãos e vísceras internas conectam-se com suas respectivas zonas reflexas por meio dessas mesmas ramificações presentes na planta do pé. Além disso é necessário entendermos que os órgãos internos se conectam com a planta do pé para modularem os estímulos que serão utilizados para promover o equilíbrio. 

 

Isso quer dizer que em desequilíbrio o corpo humano é avisado do problema enquanto a zona reflexa podal é estimulada  de forma específica. Quando então a região é estimulada o corpo é os órgãos com problemas são alcançados para voltarem ao estado de equilíbrio inicial. 

 

Inicialmente um determinado ponto da zona reflexa altera sua forma podendo ser notório o surgimento de calos, descamações ou dor local. Isso demonstra a conexão entre o interior e exterior, e principalmente visa demonstrar sua função reflexa. 

 

Quando então o equilíbrio for buscado por meio de massagens na região cria-se um estímulo rebote que alcança o cérebro para produção e liberação de agentes neuroquímicos responsáveis pela pelo relaxamento muscular e controle mental. O elemento original do problema representado pelos órgãos, vísceras e sistemas é aniquilado pelas substâncias que são emitidas em prol do equilíbrio. 

 

Reflexologia podal

 

            Acontece que a zona reflexa podal é formada por uma estrutura rica em ramificações nervosas conectadas a receptores mecânicos sensíveis a deformação dos tecidos. Quando então o toque terapêutico é realizado com pressão suficiente para despolarizar a membrana neuronal, um estímulo é emitido a parte que foi estimulada e ao cérebro para liberação de agentes relaxantes formados por serotonina e endorfina.

 

As endorfinas liberadas pela massagem reflexa produz relaxamento ao corpo e mente levando essa consideração inclusive a todas outras partes do corpo ligadas diretamente ou não ao ambiente que foi estimulado. E a serotonina liberada por neurônios especializados em sua produção irá servir de agente codificador do bem-estar mental.

 

O relaxamento provocado por esse mecanismo auxilia no tratamento da ansiedade, depressão e insônia por exemplo. Além disso a massagem reflexa pode atingir outros patamares e influenciar a formação de pensamentos mais bem elaborados bem como auxiliar na retenção de informação – memória. 

 

* Texto faz parte do Guia prático e fácil de Reflexologia em pré venda a partir do dia 10/07

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

onze + 10 =